BLOG

HÉRNIA DE DISCO: TRATAMENTO COM PERIDURAL TRANSFORAMINAL E NUCLEOPLASTIA

Mexeu…aiii…aquela dor terrível! Não dá nem pra mexer de tanta dor. Insuportável. Estas são as características normais da dor de hérnia de disco. Uma dor aguda de coluna que ocorre de forma repentina, irradia, com sensação de formigamento e prostração. Também pode desenvolver ao longo do tempo.

15% da população mundial tem algum tipo de protusão ou herniação discal, que resulta em sintomas como dor aguda e, em alguns casos, fraqueza da perna. Ou seja, em torno de 800 milhões de pessoas no mundo sofrem algum tipo de alteração anatômica na coluna vertebral!

Quatro causas mais comuns da dor da hérnia de disco: degeneração discal, prolapso, extrusão e sequestro.

Evolução

Geralmente a dor do disco herniado ocorre de forma repentina, mas, pode desenvolver ao longo do tempo também. De acordo com Dr. Charles, “A dor costuma normalizar em 8 meses e em 85% dos casos, temos técnicas intervencionistas que ajudam a acelerar a melhora da dor”.

Inicialmente, seu médico indicará uma combinação de analgésicos com fisioterapia como tratamento. intervencionistas de dor.

<<Veja no vídeo, Dr. Charles dá dicas de tratamentos intervencionistas para aliviar a dor da hérnia de disco.>>

 

Clique para conhecer nosso YouTube #MundoSemDor

Terapias intervencionistas de dor

1a. linha – O tratamento intervencionista de primeira linha é o bloqueio peridural transforaminal. Nesta técnica, o médico injeta anti-inflamatório (corticoide) e anestésico local próximo à raiz do nervo causando a dor.

O efeito desta injeção dura em média 3 semanas. Se o paciente precisar de mais bloqueios, em um ano pode receber até três injeções peridurais, porém, com intervalo de pelo menos duas semanas entre elas.

2a. linha – Se os bloqueios não aliviarem a dor, o médico passa para a linha seguinte de tratamentos, sendo a nucleoplastia a mais indicada.

Nucleoplastia

Essa técnica é usada no tratamento das hérnias contidas (ou não-extrusas). Isto é, quando o núcleo pulposo (centro gelatinosa do disco) está em prolapse mas ainda não rompeu a membrana externa do disco intervertebral, chamado de anel fibroso. A técnica busca aliviar a compressão mecânica e a irritação da raiz nervosa e promover a contração interna.

[anatomia do disco e disco intervertebral]

O procedimento consiste primeiro da introdução de um cateter de 1 mm de diâmetro no interior do disco e, em seguida, através de uma agulha acoplada, do bombardeamento do tecido com ondas de radiofrequência (RF), que remove e aquece o núcleo de maneira controlada.

L-Disq – Uma novidade no tratamento minimamente invasivo de hérnia de disco, o dispositivo foi desenvolvido por médicos sul-coreanos.

<<Veja artigo sobre o lançamento do tratamento com L-Disq, e o primeiro paciente a ser tratado na Clínica Singular.>>

Praticar a atividade física regular, beber bastante água e manter uma boa postura são essenciais para manter a coluna saudável! Atenção redobrada com a hidratação em época de calor!

Quer saber mais?

Mecanismo

Os discos intervertebrais funcionam como amortecedores de impacto entre as vértebras. À medida que envelhecemos, ocorre o desgaste e/ou ressecamento e consequentemente uma redução na capacidade de absorver os impactos dos movimentos ou suportar às cargas.

Por isso, um movimento brusco pode fazer com que a substância gelatinosa (núcleo pulposo) dentro do disco intervertebral pressione o anel fibroso, que funciona como contenção, e esse material do núcleo “escorregar”, saindo do raio do disco. Isto é chamado de prolapso ou hérnia.

Por sua vez, o disco e os tecidos em torno dele comprimem a raiz nervosa ou a medula espinhal, causando dor severa, e em alguns casos, quando a medula espinhal é afetada, a pessoa pode sentir dormência, perda de movimento, fraqueza ou alterações de hábitos urinários e intestinais. Nesses casos, é essencial procurar imediatamente o atendimento médico.

Causas

Prevalência

Publicado em 18/09/2012

Revisado em 10/02/2015

Atualizado em 03/08/2017

Fonte: http://bit.ly/2fdoCqk.

JÁ VIU?