BLOG

Estenose Espinhal

O que é?

Estenose vem de uma palavra grega que significa estreitamento. E é exatamente isso que ocorre nesta condição – um estreitamento ou redução do espaço na espinha vertebral que resulta na compressão do cordão espinhal e/ou raízes nervosas. Geralmente envolve o estreitamento de uma ou mais das três seguintes regiões da espinha:
1) O canal central da coluna que abriga o cordão espinhal e as raízes nervosas.
2) Os canais na base das raízes nervosas que se ramificam pelo cordão espinhal.
3) As aberturas entre as vértebras através das quais os nervos saem da espinha.

A compressão da parte inferior do cordão espinhal, ou das raízes nervosas que se ramificam a partir daquela área, pode ocasionar dor ou dormência nas pernas. A compressão da parte superior da coluna espinhal (área do pescoço) pode ocasionar sintomas semelhantes nos ombros, ou até nas pernas.

Quais são os sintomas?

É possível ter evidência de estenose nos testes de imagens e a pessoa não ter nenhum indício nem sintoma da condição. Quando os sintomas começam, a evolução é gradativa e piora com o tempo. Variam de acordo com a localização da estenose. As regiões cervical e lombar costumam ser as mais afetadas.

Estenose Cervical: fraqueza ou dormência na perna, pé, braço ou mão–a pessoa pode ter uma tendência a deixar cair as coisas ou até dela mesmo cair; dor no ombro e no pescoço somente se tiver algum nervo comprimido na região cervical, pois, não é usual sentir dor neste tipo de estenose; e, nos casos mais severos, a incontinência.

Estenose Lombar:
Nervos comprimidos na região lombar podem causar dor ou cãimbras nas pernas quando a pessoa fica em pé por muito tempo ou quando anda. A dor alivia quando inclina-se para frente ou senta-se.

O que causa o estreitamento do canal espinhal?

O canal vertebral normal tem bastante espaço para o cordão espinhal e a cauda eqüina. O estreitamento dele, que ocorre na estenose espinhal, pode ser hereditário ou adquirido. Algumas pessoas nascem com um canal espinhal menor ou podem ter um desvio postural—a escoliose—o que exerce uma pressão sobre os nervos e o tecido mole, comprimindo ou esticando os ligamentos. Em uma condição hereditária chamada acondroplasia, o tipo mais comum de nanismo, a formação óssea defeituosa resulta na redução do diâmetro do canal.

Condições degenerativas que causam estenose espinhal e artrose na coluna vertebral

A estenose espinhal geralmente é causada pelo processo degenerativo gradual que acontece à medida que envelhecemos. É o desgaste natural. Tanto uma alteração estrutural quanto uma inflamação pode começar o processo. Com o envelhecimento, os ligamentos da espinha podem ficar espessos e calcificar. Quando estes ficam abaulados podem invadir o espaço do canal espinhal, estreitando-o e comprimindo os nervos. Ossos e articulações também podem alargar.

Uma coisa leva a outra. Quando uma parte da coluna passa a não funcionar bem, as outras partes passam a ser mais exigidas. A seguir algumas condições degenerativas que causam a estenose espinhal.

Espondilolistese. Nesta condição, uma vértebra escorrega sobre a outra e acontece por causa de alguma condição degenerativa, acidente, ou, muito raramente, pela pessoa ter nascido com a condição.O mau alinhamento da coluna quando uma vértebra escorrega sobre a outra pode comprimir o cordão espinhal ou raízes nervosas no local.

Artrose na coluna vertebral. A artrose, ou osteoartrite (leia post anterior sobre esta condição), é a forma mais comum de artrite e tem maior probabilidade de ocorrência entre pessoas idosas ou de meia idade. A artrose é um processo degenerativo crônico que pode acometer várias articulações. Se o processo degenerativo da artrose afetar as articulações da coluna, ele pode ser acompanhado por uma degeneração discal e alargamento ou osteófitos, o comum “bico-de-papagaio”, constringindo os canais centrais e as raízes nervosas.

Artrite reumatóide. Esse tipo de artrite geralmente acomete pessoas em uma idade mais jovem do que a artrose e está associada com a inflamação e o alargamento dos tecidos moles das articulações. Embora não seja uma causa comum da estenose espinhal, os danos aos ligamentos, ossos e articulações que começam com sinovite (inflamação da membrana sinovial dentro das articulações), têm efeito prejudicial sobre a função articular. Nas pessoas com artrite reumatóide, as partes da coluna vertebral que movimentam mais, por exemplo, a área do pescoço, geralmente são as mais afetadas.

Outras causas – Doença de Paget (osteíte), tumores, lesões, acondroplasia.

Como se trata esta condição?

Se a estenose for branda, o tratamento é conservador. Seu médico ou o especialista de dor podem indicar um programa de exercícios no qual trabalha, com o acompanhamento do fisioterapeuta, o fortalecimento da musculatura das costas e abdômen e o aumento da flexibilidade da sua coluna. Tratamentos alternativos incluem a acupuntura e a massagem terapêutica. Medicações anti-inflamatórios leves como o ibuprofeno e paracetamol podem aliviar a dor e reduzir o inchaço.

Se nenhum destes funcionar, o próximo tratamento indicado é a injeção epidural. especialista de dor utilizando técnica minimamente invasiva, injeta um corticosteróide perto da espinha para reduzir o inchaço dos nervos espinhais e das raízes espinhais. O alívio geralmente é temporário, por isso, pode ser necessário mais de uma injeção ao longo do ano.

Estenose severa: se no final não houver alívio com nenhum destes tratamentos convencionais, a cirurgia é o próximo passo. Seu médico pode indicar a laminectomia, ou seja, a descompressão da vértebra por remoção de osso da vértebra; a laminoplastia (nesta remove-se menos osso do que na laminectomia); ou a fusão espinhal, em que duas vértebras são fundidas.

Revisado em 08 de março de 2013.

JÁ VIU?