BLOG

CORRIDA DE RUA: MITOS E VERDADES SOBRE LESÕES E PREVENÇÕES

 

A pratica de esportes e atividade física tem crescido rapidamente ao longo dos anos, o que é visível, devido ao fato de hoje cada vez mais pessoas aderirem à participação em alguma modalidade esportiva.

Um esporte cuja pratica tem se popularizado é a corrida de rua, considerada um fenômeno sociocultural e contemporâneo, que traz benefícios fisiológicos, sociais e psicológicos aos seus praticantes.

Porém ainda há polêmica sobre o bem estar físico associada à corrida de rua devido à alta incidência no número de lesões em seus praticantes.

Pesquisadores da área costumam dizer que os corredores podem ser divididos em dois grupos: um em corredores que já se lesionaram e outro que ainda vão se lesionar. Sei que a frase pode até parecer exagerada, mas, as estatísticas comprovam sua veracidade: de 85% a 90% dos praticantes de corrida de rua sofrem algum tipo de lesão ao longo da carreira.

Um dos fatores que mais aumentam o risco de um praticante de corrida se machucar é a existência de lesões anteriores, podendo levar o atleta a cair num ciclo vicioso sem fim em que sofre uma lesão atrás da outra.

Principais lesões associadas com a corrida

Hoje já sabemos quais lesões mais acometem os corredores de ruas. Segundo estudos, as 5 principais lesões são:[list type=”icon-circle”]

  • Síndrome do stress tibial medial (canelite)
  • Tendinite do tendão de Aquiles
  • Fascite plantar
  • Tendinite do tendão patelar
  • Síndrome do trato iliotibial

[/list]

Ainda não se sabe ao certo as causas que envolvem essa elevada porcentagem de lesões nos corredores. São respostas que todos os pesquisadores da área tentam encontrar. Hoje ainda se tem poucas evidências sobre esse assunto.

Juliano Xidieh, fisioterapeuta

Autor do post Juliano Xidieh, fisioterapeuta do Singular-Centro de Controle da Dor e do Inst. Wilson Mello, durante sua participação na Maratona de Roma.

O que se sabe: histórico de lesões anteriores no aparelho musculoesquelético e aumento de volume e intensidade nos treinos de corrida são fatores de risco para o aparecimento de uma lesão.

Eu pratico corrida de rua há 15 anos, e posso dizer que estou no grupo de praticantes que já teve lesões — felizmente todas elas solucionadas. Ser fisioterapeuta com atuação na área musculoesquelética contribuiu grandemente para que eu tivesse poucas lesões no meu histórico como corredor e por prevenir futuras lesões.

Corro desde distância curtas até Maratona (já participei de duas nos últimos dois anos). Por experiência própria, posso afirmar que os treinos para realizar uma maratona, que são 42 km, são exaustivos e muito cansativos devido à alta demanda de quilômetros e o tempo dedicado a corrida.

Possíveis causas das lesões

Essa exposição a que o corpo é submetido faz com que ele sofra inúmeras sobrecargas e alterações químicas, podendo assim levar a um processo de desenvolvimento de uma lesão. No entanto, isso é muito pouco para chegar a qualquer conclusão, pois o corpo humano é uma máquina complexa e as lesões geralmente tem múltiplas origens.

Elas podem estar associadas a questões do próprio indivíduo, como anatomia, biomecânica, nutrição, parte hormonal, nível de fadiga, hidratação e parâmetros bioquímicos.

Atualmente os fatores que tem recebido mais atenção quanto ao aparecimento das lesões nos corredores de rua são aqueles relacionados ao treinamento, como volume, intensidade, frequência, periodização, tipo do exercício e equipamentos.

Vou dar um exemplo que muitos leitores/as provavelmente compararão às suas próprias experiências: quando um corredor de rua que treina em média de 15 a 20 km por semana resolve se inscrever para uma prova de corrida de rua que terá 18 km, por questão de treinamento esse atleta vai passar a treinar 30 a 35 km semanalmente para conseguir fazer uma boa prova. Com tais aumentos na frequência e intensidade do treino, em muitos casos as sobrecargas de treino culminam em alguma lesão.

Prevenindo lesões – mitos e verdades

Muitos dos meus pacientes que são praticantes de corrida de rua ou que já trataram uma lesão praticando essa modalidade me perguntam a respeito da prevenção de lesões. Surgem uma grande variedade de perguntas, desde qual o calçado mais apropriado, tipo de exercício e até uso de equipamentos durante os  treinos que prometem ser apropriados para o atleta não se lesionar.

Hoje não se tem evidências concretas de que usar um calçado para seu tipo de pisada, ou equipamentos ou exercícios específicos ou algum outro exemplo que não tenha citado, assegure ao corredor uma prevenção quanto ao aparecimento de uma lesão.

corrida_DICAS

Por observação e experiência na minha pratica clínica, mesmo não deixando o praticante imune a uma lesão, alguns cuidados como os descritos a seguir ajudam em muito a não se lesionar: peso adequado; prática de alongamentos e fortalecimento dos músculos envolvidos na corrida; uso de bons equipamentos; corrida em pisos sem muitas oscilações no terreno; e PRINCIPALMENTE moderação e equilíbrio na prática da modalidade, respeitando os limites impostos por seu corpo.

*****

Minibiografia Dr Juliano Xidieh

 

 

 

 

 

 

 

[call_to_action button_text=”Visite o Correio Popular Online” text=”SEU CANAL DE NOTÍCIAS DE CAMPINAS” color=”green” size=”regular” url=”http://correio.rac.com.br/” target=”” position=”left”]

JÁ VIU?