BLOG

COPA DO MUNDO – PRAZER E DOR

No Brasil neste mês, o assunto é futebol. Todos, em grau maior ou menor, estão respirando o futebol. E, enquanto equipes disputam a taça na sua mais alta arena, as mídias ao redor do mundo referem ao entusiasmo dos torcedores como “febre coletiva”. Eis que surgiu o tema de hoje, pois, este grande acontecimento esportivo nos faz refletir que o esporte é a única área em que a dor é expressado ou aceito voluntariamente!

Como no último jogo do Brasil contra o Chile, ou nos vários outros jogos excelentes que já aconteceram, acreditando na vitória, o torcedor tem febre
de futebol, sofre, desequilibra emocionalmente, sente dor e torce mais à medida que seu time avança. Num recente jogo até teve o caso do jogador que caiu desacordado por uns segundos, levantou-se e se recusou a sair do campo.

Já repararam como frases contendo palavras relacionadas com doença são repetidas com frequência durante a copa, e sem as conotações negativas
geralmente atribuídas a elas? Por exemplo: “torcidas inflamadas”, “febre pelo esporte”, “doente por futebol”, “uma febre tomou conta”, “último
suspiro”, “quase morro na hora dos pênaltis”.

Lesoes esportivasNas discussões acaloradas, o mais leigo torcedor se torna técnico, médico, conhecedor das várias posições e das lesões que afetam os atletas. Fisioterapeutas, preparadores físicos e médicos esportivos são repentinamente colocados nos holofotes e injeções de PRP numa articulação se torna uma esperança do rápido retorno de um atleta herói a seu time.

E, com ou sem muitos góis, o sangue corre mais  forte nas veias assim mesmo. É muita adrenalina. A dor se torna parte da torcida, manifestada por gemidos, caretas, gritos, roer de unhas seguidos pela explosão final vitoriosa ou a aceitação amuada da derrota.

Consideremos nosso corpo, quando algo está acontecendo com ele, algo que o tira do equilíbrio normal, ou situações extremas, ele tem reações que podem causar dor.

Em seu livro “New Approaches to Sport and Exercise Psychology”, em português, Novas Abordagens à Psicologia do Esporte e do Exercício, os autores Stelter e Roessler explicam que como o amor, a dor é uma das experiências humanas básicas que nos formam e nos fazem do jeito que somos. A plenitude da nossa vida abraça a contradição que é dor e prazer.

A experiência da dor depende de fatores individuais e é um evento complexo, não baseado somente num processo mecânico simples entre estímulo e resposta. Não há dor objetiva, ao contrário, a dor é dependente de fatores subjetivos. Melzack (1973) descreveu uma espécie de “portal de controle” no cordão espinhal, que controla e regula se os impulsos da dor são enviados para um nível mais alto no cérebro. Desta forma, a intensidade do impulso de dor não será visto como maior que um dado nível e, em vez disso depende de fatores subjetivos como percepção, medo ou concentração.

No ambiente carregado de competição ou atividade sexual, por exemplo, uma pessoa pode atravessar seus limiares normais de dor e somente mais
tarde – ocasionalmente com muita dor – começar a perceber isso.

A Teoria de Controle do Portal permite a explicação de muitos fenômenos que não podem ser explicados dentro de um paradigma cartesiano, como, por exemplo, dor fantasma após amputações, as experiências diferentes com a dor do parto, diferenças culturais na experiência da dor, e a experiência de dor nos esportes – dor diferente em competição comparada com dor em situação de treino.

No caso dos atletas que se extenuam e chegam aos seus limites, há uma tolerância aumentada à dor e maior desempenho. Como em qualquer
situação extrema, no corpo há uma liberação de neurotransmissores, opióides naturais (semelhantes a morfina) com ação analgésica, que permitem tolerância à dor, ou que induzidores à euforia, pois também regulam o prazer.

Vemos que o esporte é uma área especial que aceita a dor em grau diferente que outras partes da vida social. No esporte, as pessoas aceitam a dor como um produto da prática esportiva rigorosa e no desafio de se superarem enxergam a dor como “boa”, buscam a dor, motivados pelas metas da alegria, exuberância, vitória e desenvolvimento.

E torcer é uma linha fina entre dor e prazer. Haja coração. Preparados para Brasil-Colômbia?!

Referência:

New Approaches to Sport and Exercise Psychology editado por Reinhard Stelter,Kirsten Kaya Roessler. Oxford: Ed. Meyer and Meyer Sport UK) Ltd., 2005

http://bit.ly/1mGCS16

JÁ VIU?