BLOG

PRP, Plasma Rico em Plaquetas, um tratamento sem riscos

Utiliza o sangue da própria pessoa para acelerar a recuperação

Injeções de PRP

terapia com Plasma Rico em Plaquetas (PRP) é eficaz e sem riscos e acelera na recuperação da lesão/inflamação. A técnica envolve a separação do plasma –a parte do sangue onde a concentração dos elementos que promovem o processo de cicatrização (os fatores de crescimento) é maior–, e a injeção desse plasma enriquecido de plaquetas nos locais que precisam ser tratados. Ou seja, esse concentrado do sangue da própria pessoa dá uma “turbinada” na recuperação.

Seus benefícios

  • Menor tempo de recuperação
  • Utilização dos processos naturais de cicatrização do corpo – não necessita cirurgia
  • Diminuição na ingestão de medicamentos orais

O que pode tratar?

Seu uso é mais comum no tratamento das tendinites, como tendinite no cotovelo, conhecido como “cotovelo de tenista”, ou no ombro, o “ombro de golfista”, no quadríceps da perna, tendão patelar, tendão de Aquiles e manguito rotador (do ombro).

A injeção de PRP pode ser feita intra e extra-articular, para tratar outros tecidos moles (além dos tendões), como ligamentos, etc. Temos utilizado também o PRP intradiscal para discos degenerados, transforaminal para estenose de canal e para hernia discal também.

Mas, apesar do largo uso do PRP (desenvolvida nos anos 1970), em diversas áreas como Ortodontia, Cardiologia, Plástica e Ortopedia, devemos alertar que a técnica ainda é considerada experimental e avançada no Brasil.

Como funciona a terapia?

Esta terapia avançada envolve a injeção de plasma rico em plaquetas, (PRP) coletado do sangue do próprio paciente, diretamente no local lesionado.

Lembrando que o plasma é a parte do sangue que é rico em plaquetas e os fatores que engatilham os processos de cicatrização em nosso corpo. A ideia é reforçar a concentração de plaquetas naquele local.

Para você entender melhor

No processo natural de cicatrização, o corpo envia muitas células ao local machucado, entre elas estão as plaquetas, com bio-proteínas de crescimento e cicatrização. Estas, além de estimular a regeneração celular, recrutam outras células para ajudar na recuperação.

Quando usamos o PRP, é possível estimular o sistema natural de cura do corpo e aumentar a concentração dos fatores que participam nesta cura, e, consequentemente, acelerar a recuperação de uma lesão crônica.

 

Como extraimos o PRP?

processo de fracionamento do sangue para retirada do plasma rico em plaquetas

Primeiro, retiramos duas colheres de sopa do sangue do paciente. Este sangue é colocado em uma centrífuga que separa o sangue em uma porção celular (contendo células vermelhas) e o plasma rico em plaquetas (contendo células brancas). Esta quantidade de sangue rende meia colher de chá de PRP. O processo aumenta de 5 a 7 vezes a quantidade de plaquetas encontrada no sangue integral.

Imagens mostram processo de centrifugação do sangue, sedimentação das partes e separação do plasma

Processo de centrifugação do sangue, sedimentação das porções e separação do plasma

Como fazemos a injeção?

Para termos certeza que localizamos a área lesionada, utilizamos a ultrassonografia para guiar uma agulha especial que usamos para injetar o plasma enriquecido de plaquetas.

A rotina é de 3 aplicações com intervalo médio entre cada aplicação de 15 dias. Durante a terapia, pode haver exacerbação da dor até 5 dias após a aplicação.

Gostou? Compartilhe! Obrigado.

Atualizado em 01/07/2018

Veja

JÁ VIU?