BLOG

Neuralgia do Trigêmeo – Parte II

Olá amigos! Após a pausa do carnaval estamos de volta.

Hoje falaremos sobre os critérios utilizados para diagnosticar a neuralgia do trigêmeo, os tratamentos mais utilizados no seu tratamento, inclusive as técnicas minimamente invasivas, com as vantagens e desvantagens de cada uma. Para alguns, a dor do nervo trigêmeo é classificada como a pior dor que o homem possa sofrer.

Critérios Diagnósticos

A neuralgia do trigêmeo é reconhecida como dor unilateral, de curta duração, forte, tipo choque, lancinante, em 1, 2 ou 3 ramos do nervo trigeminal.

Seis perguntas devem ser feitas ou respondidas durante o exame físico do paciente:

1- A dor ocorre em ataques?

2- A maior parte dos ataques é de curta duração (segundos ou minutos)?

3- As vezes, a duração dos ataques é curtíssima?

4- A dor é unilateral?

5- As dores ocorrem em regiões da distribuição do trigêmeo?

6- Há sintomas unilaterais do sistema nervoso autônomo (assunto para um post futuro) como lacrimejamento, coriza?

Se a resposta é sim para todos, eliminamos outros tantos diagnósticos diferenciais. E eles são vários! Devemos pensar também em dor músculo-esquelética, dor dentária, dor de garganta, ouvido e nariz, arterite de células gigantes, glaucoma, cefaléia de cluster, migrânea atípica, neuralgia do glossofaríngeo e outros.

Tratamentos

Farmacológico – anti-convulsivantes

O método de tratamento inicial da neuralgia do trigêmino é farmacológico. A carbamazepina (Tegretol) é uma medicação muito eficaz no controle das dores da neuralgias. Entretanto, efeitos colaterais podem ocorrer como tonteira, esquecimento, sono excessivo, náuseas e diminuição das células brancas do sangue. Outras medicações também podem ser tentadas como lamotrigina, fenitoína, clonazepam, gabapentina ou baclofeno.  Destas, somente a última não é utilizada na prevenção de convulsões. Quando o uso desses fármacos não controla as dores ou os efeitos colaterais são excessivos, partimos então para a opção cirúrgica ou procedimentos intervencionistas da dor.

Técnicas minimamente invasivas ou microdescompressão cirúrgica. Qual procedimento eleger?

Neurólise do gânglio Gasser usando Radiofrequência (RF) Térmica

A neurólise do trigêmino por radiofrequência consiste em aplicar no nervo uma corrente elétrica, utilizando uma agulha especialmente desenvolvida para tal finalidade. Neste procedimento, com o paciente sob sedação leve, esta agulha é inserida através da face até o foramen oval, orifício que abriga o nervo trigêmeo.
Com o paciente desperto, um leve estímulo elétrico é gerado na ponta da agulha, podendo causar uma sensação de formigamento. Quando esta sensação coincidir com o local da dor do paciente, uma anestesia geral venosa é aplicada e já em sono profundo, uma corrente elétrica é iniciada.
Esta corrente causará uma fricção nos íons junto aos tecidos e, em decorrência disso, aquecimento ao redor da ponta da agulha. A temperatura das lesões  estará limitada entre 65 e 80°, podendo ser realizadas lesões nos territórios de V2 (maxilar) e V3 (mandibular).

Contra-indicado lesão por RF no território de V1 (oftálmico) pelo risco de termos acinesia de córnea (perda da sensibilidade) e úlcera da mesma. O fato de tirar a sensibilidade da córnea, pode levar ao paciente a dormir com o olho aberto sem reflexo protetor do piscar, e devido a isso, formar úlcera.

Radiofrequência térmica aplicada no nervo trigêmeo

Vantagens: mortalidade baixíssima. Procedimento seletivo para o território desejado, ficando adormecido o(s) território(s) onde foi ou foram aplicadas as lesões. Desvantagem: não aplicável ao território de V1.

Balão no Gânglio Gasseriano – compressão percutânea

Por utilizar uma agulha de maior calibre, este  procedimento é realizado sob anestesia geral. Esta agulha é inserida no gânglio de Gasser e através de seu lúmen é inserido um catéter com um balão colabado em sua ponta. O balão já em posição ideal, é insuflado por 60 segundos com um volume máximo de 1 ml, levando à compressão e isquemia (diminuição do fluxo sanguíneo, que, quando insuficiente, é lesiva ao tecido) do nervo. Em seguida, o balão é esvaziado e o médico intervencionista da dor ou neurocirurgião retira todo o conjunto: cânula e cateter.

Técnica da compressão por balão do gânglio Gasseriano. Fonte: http://fns.med.upatras.gr/EN/Neuralgia 

Este é um procedimento não seletivo, abrangendo os três ramos do trigêmino, oftálmico, maxilar e mandibular. Assim, o paciente irá reportar uma hemiface (metade da face) adormecida após o procedimento. Nos casos em que há envolvimento do ramo oftálmico (território V1), a compressão por balão esta bem indicada, por não haver riscos de úlcera de córnea (complicação que pode ocorrer com a radiofrequência convencional de V1).

Vantagem: baixa morbidade. Aplicável no território de V1 (oftálmico). Desvantagem: estatísticamente, tempo de alívio da dor  menor que a descompressão microvascular cirúrgica e a radiofrequência térmica.

Descompressão Microvascular (DMV)

Também conhecida como cirurgia de Jannetta, a DMV consiste em que se separar o nervo trigêmino do vaso arterial ou venoso anômalo que esta pulsando sobre o nervo e desencadeando a dor. Este é um procedimento realizado pelo neurocirurgião através de uma craniotomia.

Vantagens: indicada para qualquer um dos territórios do nervo trigêmino. Durabilidade no alívio da dor maior quando comparada aos outros métodos não farmacológicos. A face não fica anestesiada, o que torna o método preferido pelos adultos jovens, pois os mesmos geralmente não toleram bem esta sensação. Desvantagem: risco maior de mortalidade.

Bloqueio com Glicerol

Esse tratamento consiste da injeção de uma pequena quantidade de glicerol no gânglio do nervo trigêmeo. O acesso ao nervo é similar aos descritos anteriormente.  É um método menos utilizado.

Vantagem: custo mais baixo quando comparado aos métodos de radiofrequência ou cirurgia. Desvantagem: durabilidade de analgesia menor e bloqueio não seletivo.

Estereotaxia – Gamma Knife

Nesta técnica, o médico usa imagens computadorizadas para localizar a raíz do nervo trigêmeo ao nível de ingresso no tronco cerebral. E, ao invés de usar o bisturi, utiliza uma única dose alta de radiação gamma, lesionando as fibras nervosas, que interrompe a transmissão de sinais de dor para o cérebro. Somente o alvo recebe a dose; o tecido em volta não recebe a radiação. Vantagens: pode ser realizado em pacientes que estão utilizando algum anticoagulante, motivo de impedimento para os métodos invasivos. Livre de sangramento e dor, portanto, não há risco de complicações cirúrgicas. Desvantagem: esse método não proporciona alivio imediato, podendo demorar de dias até meses para que isto ocorra.

Exceto pela descompressão microvascular cirúrgica, todos essas técnicas intervencionistas são realizados com o auxílio da fluoroscopia (raio X em tempo real) o que permite a precisão nos procedimentos.

Alguns pacientes escolhem controlar sua Neuralgia do Trigêmeo com terapias complementares em conjunto com o tratamento farmacológico. Estas terapias apresentam graus variados de sucesso. Entre as opções estão acupunctura, biofeedback, terapia vitamínica, terapia nutricional, e estimulação elétrica nervosa.

Bom fim de semana e até breve!

Referências:

Khoromi S, Totah A. Emedicine, Trigeminal Neuralgia. Medicine, Ob/Gyn, Psychiatry, and Surgery : Neurosurgery. Disponível em http://www.emedicine.com/med/NEUROSURGERY.htm

http://www.anaesthesiauk.com/article.aspx?articleid=100532#

 
http://www.ninds.nih.gov/disorders/trigeminal_neuralgia/detail_trigeminal_neuralgia.htm
Pain Practice, Volume 9, Issue 4, 2009 252–259

16 Responses

  • Byron Bernardes Jr.
    out 10, 2016

    Dr. Charles,
    gostaria de saber qual(is) o tipo(s) de exame que pode(m) dar com certeza o diagnóstico de Neuralgia do Trigêmeo ?
    E se existe algum outro tipo de doença(nevralgia) que pode ser confundida com a Neuralgia do Trigêmeo ?

    Byron Bernardes Jr. out 10, 2016
  • Girliane Souza
    jul 1, 2016

    Bom dia Dr. Charles! Minha mãe sofre com este problema há 21 anos. Já fez diversas intervenções cirúrgicas e nenhuma técnica obteve resultado. A mesma toma rémedio durante todo período e vive com intensas crises constantes. Teria alguma nova cirurgia que possa acabar de vez com essa doença? Ou mesmo fazendo-a terá a probabilidade de a mesma continuar a sentir estas dores? Obrigada! Fico no aguardo. Girliane.

    Girliane Souza jul 1, 2016
  • Aline
    mar 28, 2016

    Boa tarde Dr Charles…meu sogro tem neuralgia do trigemeo aproximadamente 7 anos…..no inicio ele chegou ate msm arrancar dentes achando que seria disso….qdo descobriu ele comecou tomando o remedio mais comum resolveu o problema…porem com o passar do tempo ele nao teve mais dores e por conta propria nao tomou mais…..logo apos um tempo voltou a sentir dores e comecou a tomar o remedio so q ele teve alergia do remedio e nao pode mais toma-lo….Partiu para outro que nao teve tanto sucesso…..mas de um ano pra ca foi aumentando intensificando a dor que chegou num ponto de nao conseguir comer, falar, escovar os dentes, fazer a barba….no mes de fevereiro passou em outro neurologista onde ele pela primeira vez pediu uma ressonancia e foi ai que ele indicou a cirurgia de balao ficando com o balao cerca de 1:30 dentro dele dia 11/03/16 porem ao acordar a dor estava ali o rosto normalmente…..ai de acordo com o dr recomendou que fizesse outra deixando o balao 2:00 ….cirurgia essa que foi feira dia 24/03/16…..bom agora no momento ele nao esta com dor…..porem o rosto nao ficou amortecido tambem….existe a possibilidade de novamente nao ter dado certo?
    Aguardo uma resposta….

    Mt obrigada

    Aline mar 28, 2016
  • Antônio sergio
    dez 25, 2015

    Oi boa sou o Sérgio moro em São Vicente, sofro de Nevralgia do Glossofaríngeo, tomo tegretol CR 400mg,tenho ainda crises frenquentemente, gostaria se posso ou é permitido a intervenção cirúrgica.

    Antônio sergio dez 25, 2015
  • Valentina Monteiro Bandeira
    dez 1, 2015

    Pode não dar certo, quem fez Estereotaxia – Gamma Kinife, eu fiz esse procedimento no Hospital HCor há 4 meses e os sintomas pioraram, hj dia 1 de dezembro/2015, não estou conseguindo comer ( muito mal líquido com canudinho ), é muito menos escovar os dentes, estou desesperada.

    Valentina Monteiro Bandeira dez 1, 2015
  • Roselaine
    nov 11, 2015

    Minha mãe tem 80 anos ,possui essa dor a 16 anos ,fez tratamento no hospital do fundão com Carbamazepina mas teve alergia ao medicamento.hoje ela está com crise a uns três meses .ela está sofrendo muito!,gostaria de saber como posso conseguir pela rede pública um desses tratamentos para tentar aliviar e dar a ela uma qualidade de vida melhor

    Roselaine nov 11, 2015
  • Milton Cesar Da silva
    nov 3, 2015

    Dr: Charles eu tinha muita dor no nervo trigemeos e fiz as 3 cirurgias a de radiofrequencia a de descompreensão e por ultimo foi a que deu resultado que foi a de balão, mas agora estou com uma dor terrivel no lado esquerdo do rosto não consigo nem por meus oculos parece que é uma veia que dói bem na face do lado esquerdo onde fui operado,mas agora não sinto minha lingua e nem parte do meu queixo , e minha lingua e meu queixo parece que ainda estão anestesiados e já faz 2 meses que fiz a ultima cirurgia,e o médico que me atendeu não atende mais pq ficou doente ele se aposentou,e agora o que eu faço preciso de uma resposta por favor me ajuda grato um abraço.

    Milton Cesar Da silva nov 3, 2015
  • Claudia Barreto
    jul 13, 2015

    Dr. Charles, bom dia ! Meu pai tem 79 anos, usuário de prótese dentária, e vem se queixando de dores fortes, intensas e passageiras no maxilar. Já fomos a vários dentistas e encaminharam para um procedimento cirúrgico de retirada de resíduos de raízes em dois molares, resultado de RX panorâmico, porém não querem realizar o procedimento devido aos riscos por ser usuário de marcapasso. Inicio tratamento medicamentoso indicado por neurologista que amenizou as dores, porém como é cardíaco, ficou com medo de prejudicar o coração devido as contra-indicações e deixou de tomar o medicamento. Existe algum procedimento na área da neurologia que pode resolver esse problema?

    Claudia Barreto jul 13, 2015
    • set 4, 2015

      Procedimentos intervencionistas, realizados por medico intervencionista de dor ou neurocirurgiões, podem auxiliá-lo. Em se tratando de neuralgia do trigêmino, os procedimentos relatados no post podem estar indicados.

      Dr Charles Oliveira set 4, 2015
  • Vanuse Padilha
    maio 29, 2015

    Boa tarde, meu tio já tem indicação de fazer a cirurgia de micro descompressão do nervo trigêmio mas a cirurgia é cara e estamos procurando valores dessa cirurgia com alguns profissionais que façam esse procedimento.Ele quer fazer o quanto antes pois tem muita dor todos os dias preciso de ajuda pois estamos tentando contatos pela internet, ele já fez ressonância tem vários exames.Preciso saber onde é a clínica e se esse orçamento da cirurgia é passado por telefone

    Vanuse Padilha maio 29, 2015
    • jun 17, 2015

      Vanuse, a cirurgia para descompressão do nervo trigeminal é uma das opções de tratamento. Aqui no Singlar, utilizamos duas técnicas menos invasivas que são a radiofrequencia e a crocompressão do trigêmio por balão. O profissional habilitado para realizar a cirurgia é o Neurocirurgião. Nós do Singular, somos anestesiologistas como formação primária e realizamos as outras técnicas: radiofrequência e balão.

      Dr Charles Oliveira jun 17, 2015
  • mundosemdor
    nov 8, 2013

    Prezada Aline,
    As dores quando não controlam com medicamentos, podem responder bem aos procedimentos minimamente invasivos tais como radiofrequência do trigêmino ou compressão por balão conforme post relacionado.

    mundosemdor nov 8, 2013
  • mundosemdor
    out 10, 2013

    Prezada Tatiane,
    O assunto dor orofacial é um tema árduo já que como bem sabe, necessita de uma abordagem interdisciplinar.
    Em muitas situações a radiofrequência atua bem. Como exemplos, neuralgia do trigêmino, dor facial atípica (radiofrequência do gânglio esfenopalatino, cefaleia cervicogênica (radiofrequência dos ramos médios cervicais), neuralgia do occipital (radiofrequência do nervo occipital maior).
    Tem alguns papers sugerindo sua aplicação na articulação temporo mandibular para alívio da dor na ATM.

    mundosemdor out 10, 2013
  • mundosemdor
    jan 27, 2013

    Obrigado a você por sua visita, Rose. Continue lendo quando sentir a necessidade, ou indique para seus amigos.

    mundosemdor jan 27, 2013
  • Odontoanapaula
    maio 29, 2012

    Adorei a explicação está bem didática. Parabéns

    Odontoanapaula maio 29, 2012
    • Mundo sem Dor
      jun 1, 2012

      Obrigado!

      Mundo sem Dor jun 1, 2012

Deixe uma resposta