BLOG

mundo_sem_dor_dr_charles_oliveira_mundo_perde_anthony_bourdain_e_maria_esther_bueno_no_mesmo_dia

MUNDO PERDE ANTHONY BOURDAIN E MARIA ESTHER BUENO NO MESMO DIA

Sexta-feira dia 08 de junho, partiram desta terra duas personalidades que marcaram o mundo, Anthony Bourdain, chef americano, escritor, e apresentador de TV, e Maria Esther Bueno, tenista brasileira premiadíssima, vencedora de 19 Grand Slams, ambos conhecidos no mundo todo e inspiração para pessoas de várias gerações. Sou aficionado tanto do tênis quanto da culinária e fiquei entristecido com suas mortes por isso não pude deixar de comentar aqui no blog.

imagem com Anthony Bourdain e Maria Esther Bueni

(Foto Anthony Bourdain: Jason Kempin/Getty Images North America/AFP/Arquivo)/(Foto Maria Esther Bueno (Wikipedia)

Estes dois seres humanos, com sua habilidade de contar histórias, deixaram como legado suas experiências extraordinárias, da ultrapassagem das fronteiras das suas pátrias indo para terras distantes, levando seus talentos e trazendo para seus respectivos países o que aprenderam do
povo e das tradições de lá.

Acompanhamos Bourdain, sentados em nossas poltronas, em viagens culinárias para os mais diversos recantos do mundo, para “Parts Unknown”, em português exibido como “Fora do Mapa”. Junto com ele conhecemos desde a culinária típica até a alta gastronomia, entrando em restaurantes, lares e lugares frequentados pelo povo comum.

Publicou dois livros Cozinha confidencial e Em busca do prato perfeito. Com seus livros, programas e documentários de TV, ele, com sua forma de comunicação simples, despojado e sincero, contribuiu para que milhares de fãs ampliassem sua visão sobre comida.

Quando por aqui esteve, em São Paulo, visitou o mercado central onde provou o sanduíche de mortadela, conheceu a caiprinha; no Rio, em uma casa na favela, comeu feijoada preparada pela dona da casa; em BH deliciou-se com o caldo de mocotó e fígado com jiló.

obama e bourdain em Vietnã

Em Vietnã, Anthony Bourdain e o presidente americano Barack Obama, em restaurante popular comendo macarrão. vietnamense e tomando a cerveja local enquanto trocam ideias. (Foto: Reprodução/ Instagram/ Anthony Bourdain)

Sua morte, em Estrasburgo, na França, aos 61 anos, por suicídio, colocou em foco as consequências fatais que a depressão pode ter e a onda crescente de mortes por esse motivo. Em duas décadas nos EUA, de acordo com o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), este número aumentou em 30%.

Quanto a Maria Esther Bueno, até hoje, nenhuma tenista brasileira teve conquistas no esporte como ela. Ganhou 19 Grand Slams! Entre estes títulos em torneios principais, 3 foram em Wimbledon e 4 no U.S. Open. E pensar que saía daqui do Brasil de navio para jogar nos campeonatos em outros continentes.

Esta grande tenista brasileira ficou conhecida como “A Bailarina do Tênis”, pela elegância do seu jogo. Atuou ao longo de três décadas (anos 1950, 1960, 1970). Em 1958, aos 17 anos foi a primeira latinoamericana a levantar a taça do singles feminino em Wimbledon, Londres, onde no ano anterior havia ganhado nas duplas).

Maria Esther Bueno ganhou o troféu de Wimbledon 3 vezes.

Maria Esther Bueno ganha em Wimbledon.

Ela contava que naquele tempo, jogava-se por amor ao esporte, pois naquela vitória ganhou um voucher de 15 libras como prêmio, com o que dava para comprar umas meias e munhequeira. Entrou no Livro Guinness de Recordes por ganhar um jogo em meros 19 minutos! Sua vitória sobre Margaret Court, na final individual de Wimbledon, em 1964, é considerado por muitos um dos 10 jogos mais emocionantes da história do tênis.

Por fim ela teve de parar de jogar por lesão no cotovelo, que ela atribuiu ao peso dos raquetes que usava na época –eram de madeira. Nos últimos anos trabalhava como comentarista esportista na TV.  Morreu em São Paulo, vítima de um câncer de boca.

Conta o Fernando Meligeni que ela gostava de conversar e contar histórias. Em uma das muitas mensagens, no site da Associação Mundial de Tênis (WTA), uma das maiores tenistas de todos os tempos, Billie Jean King prestou homenagem, dizendo o quanto admiravam a Maria Esther, ela era uma ícone pelo que fez para o tênis feminino quando este universo ainda era dominado pelos homens.

O mundo perdeu estes dois ícones no mesmo dia. Descansem em paz Anthony e Maria Esther. Suas histórias perdurarão enquanto tiver quem puder contá-las.

SUGERIMOS...