BLOG

blog_mundosemdor_dor_cabeca

Dor de cabeça que resiste a tratamento

Parte III – Dor de Cabeça Refratária

Já falamos sobre cefaléias e suas várias categorias. Hoje abordaremos a dor de cabeça refratária, ou seja, a que resiste ao tratamento farmacológico, terceira opção na escada analgésica, devemos avançar para o quarto degrau da escada analgésica e realizar bloqueios intervencionistas.

Primeiro realizamos bloqueios diagnósticos com o propósito de identificar a origem da dor de cabeça. Isto, é claro, aliado ao exame físico. A dor pode até ter origem numa artrose da coluna cervical e para aferir isto, bloqueios guiados por radioscopia são realizados dentro dessas articulações.

Procedimento intervencionista

Se a dor passa, concluímos o diagnóstico. Caso ela retorne, é possível realizar o mesmo procedimento fazendo uma ablação do nervo por radiofrequência, que proporciona analgesia por mais tempo.

Quando a dor é na região posterior da cabeça (região occipital) e se acentua no exame físico ao comprimir o trajeto dos nervos occipitais, realizamos bloqueios dos mesmos.

Frequentemente estão presentes pontos dolorosos na musculatura cervical conhecidos por pontos gatilhos. Estes podem ser desativados com infiltrações de anestésico local ou agulhamento seco (técnica de estimulação intramuscular) para controle da dor.

Outro tipo de dor de cabeça em que há indicação para bloqueio é a cefaleia de Horton ou cefaléia histamínica. Esta cursa com pálpebra caída (ptose), nariz escorrendo de um lado da face (rinorreia), dor incapacitante, e agitação. Neste caso a indicação é o bloqueio do gânglio esfenopalatino.

Dores do nervo trigêmeo conhecida por neuralgia do trigêmeo, também podem ser controladas com o uso da radiofrequência no gânglio de Gasser ou insuflação de um pequeno balão no mesmo alvo.

Todos os procedimentos citados são percutâneos; portanto, sem cortes.

A utilização de toxina botulínica (botox) para fins estéticos revelou a diminuição da frequência e intensidade da cefaléia de muitos, podendo ser uma opção apesar da necessidade de estudos mais consistentes em apoio ao seu uso.

Revisado em 17 de maio de 2015

JÁ VIU?