BLOG

articulacoes sacroiliacas

Disfunção Sacroilíaca

Dor na Articulação Sacroilíaca

A disfunção sacroilíaca (SI) pode causar dor lombar ou nas coxas ou nádegas, que pode também irradiar pela perna, e dor na virilha. Geralmente a dor irradiada é sentida até o joelho, mas às vezes pode estender até o tornozelo ou o pé.

Anatomia

A articulação sacroilíaca faz a junção entre a parte inferior da coluna – o sacro – com a pelve, e possui ligamentos fortes. É uma articulação forte e sustenta o torso quando ficamos em pé.

Dor nesta articulação pode ser o resultado de lesão ou inflamação. Pressão exercida por edema dos tecidos dentro e em torno da articulação, pode fazer com que os nervos espinhais na região originem impulsos de dor. Quando esses nervos são comprimidas, a pessoa sente dor, e possivelmente terá alguma limitação funcional.

Uma grande variedade de fatores ou eventos podem causar esta doença, tais como lesões traumáticas ou um impacto súbito, artrite degenerativa, gravidez e infecção da articulação sacroilíaca.

Sintomas

Os sintomas podem incluir dor e rigidez na região lombar, coxas ou nádegas. Inflamação da articulação resulta em dor e inflamação adicional, criando um ciclo desagradável.  Falta de sensibilidade e sensação de frio também podem acompanhar esta condição.

Diagnóstico

Para chegar a um diagnóstico o primeiro passo é o levantamento da história clínica do paciente e a realização de um exame físico. Seu médico pode solicitar uma radiografia ou uma ressonância magnética ou tomografia.

Entretanto, uma das maneiras mais acuradas de diagnosticar a dor sacroilíaca pode ser a realização de um bloqueio diagnóstico. Neste procedimento, guiado por fluoroscopia ou ultrassom, injeta-se na articulação um anestésico local como a lidocaína.

Parece fácil, mas, uma alerta aqui, é necessário que seja realizado por um profissional treinado. O mais indicado é o médico intervencionista da dor (médico de dor), que, aliado com sua capacidade de especialista também tem de ser experiente e habilidoso para inserir a agulha no local exato.

Se a dor parar depois do procedimento, então, em conjunto com o exame físico, o médico terá mais evidência de que era a articulação que estava causando a dor.

Em alguns casos, o conjunto de nervos sensoriais que vão da coluna até a articulação, assim como os ligamentos da articulação, precisam ser bloqueados com anestésico local. Isto porque os ligamentos possuem numerosas terminações nervosas que ainda podem transmitir os sinais de dor.

Tratamentos para Dor na Sacroilíaca

As opções de tratamento para o alívio da dor geralmente são não-cirúrgicas.

  • Fisioterapia  e Exercícios – restaura o equilíbrio pélvico e aumenta a flexibilidade e resistência da musculatura pélvica, abdominal, e da extremidade inferior, conduzindo à reestabilização da estabilidade lombo-pélvica. Esta ação estabilizadora também pode ocorrer mediante o Pilates e o ioga.
  • Terapia aquática – pacientes com dor severa podem tolerar melhor o baixo impacto dos exercícios na água. Além disso, a resistência da água cria um ambiente propício para a ativação dos músculos pélvicos estabilizadores
  • Medicação – antiinflamatórios muitas vezes são eficazes no tratamento
  • Quiropraxia – pode ser benéfica na restauração do equilíbrio pélvico

São necessários meses de terapia intensiva para restaurar a função normal da pelve. Se a dor persistir ainda, o tratamento é levado para o próximo degrau na escada da dor.

Técnicas minimamente invasivas

  • Injeção Sacroilíaca – uma injeção/infiltração de corticóide (medicamento antiinflamatório) na articulação SI para reduzir a dor e a inflamação

Não havendo resposta a esta terapia, uma segunda técnica minimamente invasiva ainda pode ser utilizada:

  • Neurotomia Sacroilíaca – feito como procedimento ambulatorial, leva em torno de 45 minutos; não envolve anestesia geral e tem risco menor que um procedimento cirúrgico. O tempo de recuperação é curto e o paciente vai embora no mesmo dia.  Nesse procedimento, uma agulha é introduzida na região da articulação sacroilíaca (SI) através de uma agulha introdutora. Aplica-se então a radiofrequência, que aquece o tecido (especificamente os nervos sensoriais) em torno da ponta da agulha. Assim, as fibras nervosas na articulação SI que provavelmente estão causando a dor são desativadas.

Existe também o tratamento com proloterapia ou PRP (plasma rico em plaquetas), procedimentos regenerativos avançados que ainda estão em estudo embora bastante utilizados.

Em casos muito raros, as intervenções cirúrgicas podem ser necessárias para corrigir os problemas causadores da dor.

E por hoje é só – até breve e bom domingo para todos!

Escreva seu comentário, compartilhe as informações! Sejam nossos amigos no Facebook e Twitter também.

SUGERIMOS...