Categoria Dor do Câncer

gettyimages_52702185

CÂNCER PANCREÁTICO LEVA A RAINHA DO SOUL

R.I.P. Aretha Franklin (1942-2018) Hoje a família da grande cantora de gospel/R&B/jazz e soul comunicou o falecimento da lenda musical aos 76 anos, após a luta com o câncer pancreático. Em dias recentes, Aretha já tinha entrado em cuidados hospice (cuidados  paliativos de final de vida em casa) e isto permitiu que familiares e amigos pudessem

Leia Mais

mundo_sem_dor_dr_charles_oliveira_escada_palanque_mulher_celebrando_vida1

PROCEDIMENTOS INTERVENCIONISTAS: NA ESCADA DE TRATAMENTO DA DOR ONDE ENTRAM?

Alternativa com menos efeitos adversos do que opioides, procedimentos intervencionistas descem na escada de tratamento da dor Em anos recentes, os EUA têm vivido uma crise de opioides sem tamanho – chegando o Presidente do país a declarar guerra contra o abuso. Neste cenário, os procedimentos intervencionistas têm ganhado destaque como alternativa não-opioide a ser

Leia Mais

Mundo_sem_dor_dr_charles_oliveira_dor_pos_mastectomia

SÍNDROME DE DOR PÓS-MASTECTOMIA

Dor crônica comum depois de cirurgias para retirada de câncer de mama Muitos pacientes desenvolvem dor crônica secundária aos tratamentos contra o câncer — a mastectomia é um destes, assim como as terapias combinadas a ela, sejam a quimio-, radio- ou hormonioterapia. Dando continuidade ao tema de dores após tratamentos anti-neoplásicos, hoje vamos falar da

Leia Mais

DOR-DO-CANCER-2

Sobreviventes de câncer continuam sentindo dor depois?

Dores persistentes mesmo após vencer a doença Entramos em outubro, mês de conscientização com relação ao câncer de mama. Hoje escolhemos como tema as dores persistentes após o tratamento de câncer, na maioria das vezes neuropáticas e associadas às dores somáticas. O fim do câncer significa o fim das dores? Com o diagnóstico sendo feito

Leia Mais

dr_charles_oliveira_neuropatia_dolorosa_dor_no_cancer

DOR NEUROPÁTICA NO CÂNCER

Na natureza toda ação cursa com reação. Esta lei da física é ilustrada nos quadros de dores neuropáticas induzidas por terapias anti-neoplásicas. Tratamentos do câncer podem resultar em dores e, na atualidade, estamos presenciando um aumento nas queixas de dores neuropáticas em contra-ponto ao aumento da taxa de sobrevida dos pacientes com câncer. Temos evidência

Leia Mais

dr_charles_oliveira_despedida_na_morte

Manter a “vida” no tempo final da vida: como a morte muda nossa visão.

Convidei o médico anestesiologista e paliativista, Dr. Carlos Marcelo Barros, para relatar sua experiência com pacientes com dor e em fim de vida.   Compartilhamos seu texto aqui: A medicina da dor associada a minha atuação em Cuidados Paliativos mudaram a minha maneira de ver o mundo! Podemos controlar todos os aspectos da nossa vida?

Leia Mais

Desafios comuns à prática da medicina da dor no Brasil e na África do Sul

Compartilhamos do nosso acervo, uma entrevista com o especialista em dor sul-africano, Dr. Eric Wilson, um dos médicos intervencionistas em dor mais eminentes em seu país e residente na Cidade do Cabo. Em conversa com Dr. Charles Oliveira durante o V Curso Singular de Medicina Intervencionista da Dor no Singular – Centro de Controle da Dor, Campinas (SP), onde o Dr. Eric Wilson esteve pela segunda vez a ministrar aulas para os médicos participantes.

Os médicos falaram dos desafios comuns entre os dois países em relação a médicos de dor e à prática da medicina da dor; sua percepção dos desafios, como o grande tamanho do país e a distância entre as cidades e os grandes centros de tratamento; preços; e também sobre sua visão do que o futuro guarda para esta área da medicina, inclusive do papel crescente do ultrassom nos procedimentos. Dr. Wilson falou brevemente de sua experiência pessoal enfrentando a dor crônica e as lições que tirou sobre viver com a dor. Confira!

ENTREVISTA


Entrevistado: Dr. Eric Wilson
Entrevistador: Dr. Charles Amaral de Oliveira.
Local: Campinas-SP, Brazil
Data: junho/2015
Oliveira CA, Wilson E. Entrevista [arquivo .mp3]. V Curso Singular de Medicina Intervencionista da Dor; Campinas (SP); junho 2015. Copyright 2015.

ENTREVISTA

Leia a entrevista completa por tópico ou baixe em pdf para ler depois.

Desafios em comum com a África do Sul
Dr. Charles Oliveira: Muito obrigado por ter vindo novamente ao Brasil!Eric, a primeira pergunta: quais são os desafios que temos no Brasil e na África do Sul? Que você acha que são os desafios que enfrentamos nestes dois países.

Dr. Eric Wilson: A minha impressão é... (pausa) a de que temos tecnologia e temos tratamentos que podemos utilizar, mas muitas vezes são... O preço de entrega deles está fora do alcance da população. Então, é possível fazer muito mais do que conseguimos fazer, mas isto é limitado, principalmente pelo financeiro.

Em segundo lugar, a tec... O tipo de tecnologia que podemos utilizar, como estimuladores e bombas, a tecnologia sofisticada requer uma população que é capaz de lidar com ela no ambiente doméstico. Por isso, é sem sentido implantar uma tecnologia de primeiro mundo em alguém que vai voltar para um ambiente domiciliar de terceiro mundo e não poderá manter nem sustentar tal tecnologia. E, também, essas populações de pacientes que se beneficiariam com essas tecnologias não têm o entendimento educacional do que você está tentando passar para eles, e assim requer muito mais esforço para, num ambiente multilíngue e multicultural, tentar conseguir uma distribuição uniforme de informações para os pacientes que você atende. Nem todos têm a mesma capacidade para entender, financeira e/ou educacionalmente, o que precisamos, o que PODEMOS fazer por eles, o que precisamos fazer por eles. Então acho que isto é um denominador comum entre os dois países.

Treinamento em dor nos dois países
Dr. Charles Oliveira: Como são os médicos nos dois países? Estão preparados para dar o melhor aos pacientes?

Dr. Eric Wilson: Acho que sim. Sabe... A minha impressão dos [médicos] que vi no programa Singular, apenas falam com uma língua diferente para o mesmo nível de treinamento e personalidades e competências como da África do Sul. A vantagem que temos no Brasil e na África do Sul é que temos uma grande população, um grande número de pacientes, de modo que a experiência como médico excede em muito a de um médico residente na Europa, que tem uma pequena clínica. E lá há muitos médicos, então, você não consegue volume. Nós vemos um largo espectro de patologias que exige que se tenham as habilidades. Você tem que adquirir competências para lidar com esse espectro.

Quero somente voltar a uma das questões que temos em comum com vocês, que é esta: o Brasil é um país enorme. Assim, as pessoas viajam longas distâncias para ser atendidas por você. Cuidamos de pacientes de toda a África, até lá da África Ocidental, e temos o mesmo tipo de problema. Viajam longas distâncias e muitas vezes vêm com expectativas de que eles conseguirão tratamento no dia em que chegam. Mhm... e um dos nossos desafios é tentar conseguir com que os pacientes, antes de virem, sejam adequadamente investigados clinicamente e examinados no local em que vivem, para que possamos entregar um tratamento eficaz. É quase impossível lidar com alguém de... que não passou por uma propedêutica adequada, no dia, na clínica. E por isso temos o mesmo tipo de problema. A pessoa chega com uma mala e acha que de alguma forma você pode oferecer um serviço que é abrangente e eficaz em um dia, que não é... Isto não é prático.

Educação continuada – especializar ou não?

Dr. Charles Oliveira: Você acha que precisamos preparar os médicos para não serem tão especializadas em um... em cabeça ou na coluna vertebral, mas um médico que pudesse ver o paciente de dor da cabeça aos pés?

Dr. Eric Wilson: Nós discutimos isso hoje mais cedo eu acho. Você e eu. E o dilema é ter alguém como um especialista em dor. Eles têm tem um conhecimento integrado de como as vias de dor funcionam – como uma condição integrada. Eu acho que tem um papel para uma amostragem mais seletiva dos problemas maiores. Então, tome, por exemplo, a oncologia: no ambiente de qual venho, as hospedarias de cuidados paliativos regularmente utilizam morfina, anti-inflamatórios não esteroides e paracetamol. Esta é a soma da experiência deles em farmacologia. Eles não têm nenhuma experiência com o tratamento intervencionista e não têm nenhuma experiência em nenhuma das outras modalidades: de bombas de dor, de estimuladores, nenhuma outra. Portanto, os pacientes internados na hospedaria de cuidados poderiam receber melhores tratamentos se ensinássemos a esses médicos bloqueios simples, outros regimes farmacológicos simples. Então é isso em nível de hospedarias de cuidados.

Para as dores musculoesqueléticas, sua clínica é como nossa clínica. Vemos muito ombro, quadril, joelho, que poderia ser tratado com bastante eficácia na rede de periferia da atenção à saúde. Assim, eu acho que definitivamente tenha um papel para uma visão em que procedimentos comuns possam ser feitos por qualquer médico qualificado competente na rede de periferia e, quando os tratamentos forem ineficazes, encaminhar o paciente para um centro de referência como os nossos centros.

Área da dor daqui a 10 anos

Dr. Charles Oliveira: Quais são os desafios para os próximos dez anos na área da dor?
Eu acho que nossos desafios estão nos tratamentos emergentes de... na contramão da medicina reparadora; vê-se a medicina regenerativa, vendo a maneira de mudar fundamentalmente a maneira como tratamos pacientes. Se conseguirmos a regeneração dos espaços articulares, se conseguirmos a regeneração dos discos em vez de a colocação de próteses, acho que esses são os campos em que as mudanças mais animadoras vão acontecer. Acho que melhor diagnóstico de algumas das condições. Assim, se olharmos para a alteração na compreensão do tratamento da artrite reumatoide, osteocondrite, artrite psoriática, com o tratamento biológico desses, acho que ainda temos que ver esse nível de tratamento bioquímico das vias da dor. Ainda estamos limitados a cinco ou seis classes terapêuticas de crescimento, que tendemos a usar quatro ou cinco deles porque não sabemos realmente qual vai funcionar melhor, em vez de terapia muito mais direcionada. Então, se pessoas com artrite reumatoide ou espondilite anquilosante agora... se você começar a tratá-las cedo, com os fatores biológicos, acabarão não tendo as doenças comuns que costumamos ver nas clínicas de dor 25 anos depois. Assim, o diagnóstico mais precoce, o melhor diagnóstico, o tratamento precoce ou tratamentos mais eficazes, acho que serão estes a fazer a diferença para os pacientes.

Além disso, penso que uma das questões-chaves é a comunicação. Como você vê por experiência própria em sua clínica aqui, as redes sociais possibilitam disseminar a nossa mensagem, mas, ao mesmo tempo, elas fazem os pacientes procurarem cuidados que não necessariamente precisam ou deixarem de procurar consultar primeiro com seus médicos de primeiros cuidados. Esses pacientes desviaram da cadeia de cuidados primários. Apesar de recebermos pacientes sem encaminhamento sim, não fazemos esse atendimento tão voluntariamente como quando vêm encaminhados por outro médico. Um médico... Um paciente encaminhado por um colega profissional competente, que já tenha realizado a propedêutica essencial, excluído as doenças que podem ser tratadas, mas não por uma clínica de dor, faz com que a entrega de nosso serviço seja muito melhor. Temos um problema em que os pacientes chegam com... espondilite anquilosante não diagnosticada ou artrite reumatoide não diagnosticada. Não é para isso que serve uma clínica de dor. Nós não somos um serviço de diagnóstico. De fato somos um serviço de tratamento, mas conseguir com que os pacientes sejam diagnosticados corretamente é o que irá melhorar a qualidade de vida deles, melhorar o que fazemos.

Papel da US na clínica de dor

Dr. Charles Oliveira: E, por último, como você vê o ultrassom na clínica de dor?

Dr. Eric Wilson: O ultrassom é, sem dúvida, muito mais benéfico para o paciente em termos de doença iatrogênica potencial da radiação. E eu acho que ele muda nossa percepção. Você vê uma imagem em tempo real de um tecido vivo real. Você vê os planos vasculares, neurovasculares, e você realiza, eu acho, uma colocação muito mais precisa de instrumentos, agulhas e fármacos, de fato no lugar em que realmente precisa, em vez de uma localização implícita, que é o que você vê num raio X. Você tem uma inferência de onde você está, não tem uma imagem em tempo real de onde se encontra. Portanto, acho que ultrassom é definitivamente o futuro. Eu acho que ultrassom será melhorado; acho que o processamento dos sinais vai melhorar as imagens que vemos, que realmente estão melhorando. Mas eu acho que, com a integração, se buscarmos a integração de CT e ultrassom, a integração do ultrassom com outras modalidades de imagem investigativa....termografia com ultrassom, mudaria a imagem que temos. No momento [o uso] ainda é isolado: ultrassom, ou termografia, ou raios X, ou RMN; então, quando integrarmos essas imagens, teremos uma mudança real no que fazemos.

Dor do câncer – dor tratado adequadamente por oncologistas?

Dr. Charles Oliveira: Você concorda que os oncologistas tentam cuidar da enfermidade... a patologia e se esquecem de cuidar da dor dos pacientes?

Dr. Eric Wilson: Eu acho que até certo ponto isso pode ser verdade. Eles têm um trabalho muito desafiador. Eles lidam com regimes farmacológicos muito complexos, com pacientes que têm pavor do componente emocional... das famílias. Eu acho que eles têm um desafio. Eu acho também, é justo dizer, que eles foram desapontados com a forma como outros médicos fazem o controle da dor; então eles estão relutantes em referir esses pacientes porque eles veem como outros médicos tratam mal a dor. Clínicas de dor são relativamente novas e têm número reduzido. E por isso, se na visão dos oncologistas, quando enviam um paciente de volta para a comunidade, o tratamento da dor dos pacientes decai muito e não é tão eficaz, em parte é nossa culpa como não oncologistas por não demonstrarmos que podemos entregar esse serviço e, também, em parte, a nossa culpa por não educarmos os oncologistas para saber que somos qualificados. Então, eu penso que há dois lados da questão. Quando oncologistas confiam que uma clínica de dor lide com a dor de forma adequada, ele fica disposto a referir. Clínicas de dor que não oferecem um serviço que muda a vida das pessoas vêem os oncologistas menos dispostos a encaminhar pacientes para elas. E eu acho que é um equilíbrio: é encontrar a maneira como uma parceria em cuidar de pacientes realmente funciona. E isso é um desafio. É um grande desafio.

Dr. Charles Oliveira: Muito obrigado pela entrevista e volte em breve para o Brasil!

Dr. Eric Wilson: É sempre um prazer. E bom estar no Brasil, país maravilhoso!

Dr. Charles Oliveira: Esperamos vê-lo novamente no ano que vem.

Dr. Eric Wilson: Bom, fantástico! Bom estar aqui.

Dr. Charles Oliveira: Este ano... (risos). Obrigado!

Dr. Eric Wilson: É... esses são grandes desafios... grandes desafios.

(Transcrição do inglês e tradução para o português (BR).: Camille Khan)

Baixar a Entrevista

Entrevista original em inglês
icone pdf
Tradução Entrevista – português
icone pdf

Tem alguma pergunta? Deixe seu comentário ou escreva para nós!

JÁ VIU?

ENTREVISTA: DR ERIC WILSON, MÉDICO DE DOR, AFRICA DO SUL

Desafios comuns à prática da medicina da dor no Brasil e na África do Sul Compartilhamos do nosso acervo, uma entrevista com o especialista em dor sul-africano, Dr. Eric Wilson, um dos médicos intervencionistas em dor mais eminentes em seu país e residente na Cidade do Cabo. Em conversa com Dr. Charles Oliveira durante o

Leia Mais

dr_charles_oliveira_sonia_rugiero

Luta contra o câncer de pâncreas

Durante nossa caminhada como médicos, acompanhamos nossos pacientes em suas lutas contra as aflições aos seus corpos, mentes e almas, e, de maneira geral, muitas vezes nós médicos de dor estamos presentes nas batalhas dos pacientes com doenças mais graves. Hoje de madrugada o céu ficou em festa ao receber Sônia Rugiero que encerrou a

Leia Mais