Médicos intervencionistas na copa do mundo

16 jul

Médicos intervencionistas na copa do mundo

A conquista da copa do mundo pela Alemanha  foi justa. Nenhuma equipe apresentou tributos tão consistentes como a  equipe alemã. Além do ótimo futebol apresentado, esbanjaram simpatia e carisma por onde passaram. Hoje, já de volta à Alemanha, estamparam uma grande faixa em português: obrigado fans.

Como quase todos os brasileiros eu não estava interessado na Copa até ela começar. Sentia tristeza pelas noticias de superfaturamento de obras, mandos e desmandos da FIFA, e a construção de estádios que não servirão para prática de futebol em estados onde o futebol não é atrativo. Por isso, não me frustrei por não ter sido sorteado para adquirir ingressos pelo site da FIFA. Mas quando a bola rolou, senti vontade de ir a algum jogo, de qualquer seleção.

Pouco sabia que uma surpresa me aguardava. A vida associativa dos médicos intervencionistas de dor é intensa; sempre que possível nos ajudamos muito. Um desses colegas, Jan van Zundert, um belga referência mundial em medicina baseada em evidências, conseguiu ingressos para vir ao Brasil. Ajudei-o então a desenvolver um roteiro pelas terras brasileiras, junto com Débora, minha ótima agente de viagens da Portal Turismo.

Dois dias antes do jogo Brasil vs. México, na cidade de Fortaleza, van Zundert me telefona dizendo que estava com um ingresso sobrando pois um de seus amigos não pôde vir.

Inicialmente declinei o convite, alegando que estava com atendimentos agendados, além da dificuldade de passagens. Ele disse para eu refletir: jogo de Copa do Mundo, no Brasil e do Brasil. Isso me deu um frio na barriga. Consultei então minha esposa, ainda em dúvida, e ela respondeu assertivamente: vá!

MSD_copa_doutores

MSD_copa_charles_oliveira

Consegui passagem aérea a preço de copa ($$) saindo no dia seguinte de São Paulo às 23 horas (de Campinas já havia esgotado) e fui! Que bela experiência! Ver uma torcida mexicana agitar mais o estádio que o triplo dos brasileiros presentes em um clima de completa harmonia. A surpresa maior veio na forma da área de hospitalidade, onde estava disponível comida e bebida à vontade 3 horas antes do jogo e até 2 horas depois. São momentos que, se não são vividos não fazem falta, mas quando usufruídos, nos geram recordações para toda a vida.

No dia seguinte ao jogo, tivemos tempo par ir a alguns pontos turísticos do Ceará. Dali, meus companheiros seguiram para Manaus e eu retornei a Campinas.

MSD_copa_drs_fortaleza

Me convidaram para o jogo da Bélgica no Maracanã no domingo seguinte mas agradeci; já estava feliz com o que havia vivenciado com eles na Copa do Mundo do Brasil.

Todos os turistas com quem conversei levaram uma ótima impressão da hospitalidade brasileira e referiram vontade de retornar quando possível. Mérito de todos os brasileiros e não de nossos políticos.

Vencer ou perder faz parte do jogo. Agora nós brasileiros iniciaremos uma nova copa, esta em novembro, quando elegeremos novos governantes para nosso país. Não podemos ser indiferentes em relação ao descaso que vem sendo tratada a saúde, segurança, educação, o superfaturamento de obras e a impunidade do colarinho branco.

Ainda agora foi aprovada a lei da palmada, uma lei que vai contra todas as  famílias brasileiras onde não se pode mais dar palmadas corretivas nos filhos; uma lei que viola as leis bíblicas. Nas urnas, sem qualquer tipo de vandalismo, cada um de nós poderá fazer a diferença, rejeitando com o voto aqueles que tratam o dinheiro público com descaso. O Brasil merece o melhor!


A fratura de Neymar

7 jul

A fratura de Neymar

O assunto mais comentado nas resenhas esportivas e redes sociais após o jogo de Brasil e Colômbia, mais que a classificação para as semifinais da copa, foi a fratura do processo transverso de L3 do jovem craque brasileiro, Neymar.

Baixa importante para esses jogos decisivos, porém mais importante que o ídolo estar em campo é sua completa recuperação física.

No dia de ontem, foi dito pela imprensa que Neymar poderia ser submetido a um bloqueio de controle da dor e ter condições físicas para uma possível final no dia 13 de junho de 2013.  Esta possibilidade já foi descartada pelo Dr. Runco, médico ortopedista coordenador da seleção brasileira de futebol, com a qual concordamos sem termos acesso às imagens da ressonância nuclear magnética/tomografia. (mais…)


COPA DO MUNDO – PRAZER E DOR

1 jul

COPA DO MUNDO – PRAZER E DOR

No Brasil neste mês, o assunto é futebol. Todos, em grau maior ou menor, estão respirando o futebol. E, enquanto equipes disputam a taça na sua mais alta arena, as mídias ao redor do mundo referem ao entusiasmo dos torcedores como “febre coletiva”. Eis que surgiu o tema de hoje, pois, este grande acontecimento esportivo nos faz refletir que o esporte é a única área em que a dor é expressado ou aceito voluntariamente! (mais…)


SÍNDROME DA LESÃO EM-CHICOTE II: TERAPIAS INTERVENCIONISTAS DE DOR

3 jun

SÍNDROME DA LESÃO EM-CHICOTE II: TERAPIAS INTERVENCIONISTAS DE DOR

Sofreu uma lesão em chicote e o tratamento convencional não está surtindo efeito? Mais de três meses tratando, tomando analgésicos e relaxantes musculares na esperança da dor sumir e nada? Provavelmente esteja na hora de passar para terapias do próximo degrau de tratamento, as terapias intervencionistas minimamente invasivas, utilizadas no tratamento de dores de pescoço, cabeça ou coluna causadas por lesão em chicote (whiplash). Evitam a evolução da dor inicial para uma dor crônica com desordens associadas e a consequente diminuição de qualidade de vida e até depressão.

Diagnosticando a lesão em chicote
Exames clínicos e radiológicos são insuficientes para diagnosticar esta lesão do pescoço, inclusive, o último serve mais para eliminar a possibilidade de patologias como fraturas, tumor ou doenças dos discos vertebrais. Se a dor persistir por mais de três meses, apesar de estar sendo tratada, a ferramenta diagnóstica mais indicada pelas diretrizes atuais é o bloqueio diagnóstico do ramo médio cervical que localiza a causa da dor e o local a ser tratado. É realizado em regime ambulatorial.

Veja abaixo a inervação da coluna cervical. A articulação zigoapofisiária (-z) C2-3 é inervado pelo terceiro nervo ocipital. O nervo do ramo médio de C3 inerva a articulação-z  C3-4. As outras articulações tem inervação bisegmentar do ramo médio dos ramos dorsais no mesmo nível e um nível acima.

Inervacao regiao cervical

Bloqueio diagnóstico
E como é feito o bloqueio? Guiado por fluoroscopia (raio-X dinâmico) ou US (ultrassom), o médico intervencionista de dor injeta um anestésico local adjacente aos nervos do ramo médio e confere com o paciente se a dor diminuiu. Para alguns médicos uma redução de 50% da dor indica um bloqueio positivo, enquanto outros consideram 80% o ideal, e alguns até 100%. Se a dor aliviar completamente, acredita-se que a fonte da dor foi achada. Além de sua finalidade diagnóstica, o bloqueio diagnóstico proporciona o alívio da dor.

Para eliminar falsos positivos, um segundo bloqueio é realizado com um anestésico diferente para confirmar se haverá redução similar da dor. [American Association of Regional Anesthesiology Nov 2008] Cohen, 2007). Esse bloqueio diagnóstico positivo é um dos critérios na seleção de pacientes para a neurotomia facetária do ramo médio por radiofrequência (RF), e identifica o local específico da dor onde o bloqueio terapêutico ou a desnervação será feita.

bloqueio anestesico

Em 80% dos pacientes, uma dessas três estruturas são isoladas como fonte da dor:
Articulações (~55%)
Articulações facetárias C2-3 a C7-T1 (articulações-z)
Articulação C1-2 (também chamada de “articulação atlanto-axial”)
Discos vertebrais (~20%)
Raizes nervosas (~5%)

MODALIDADES DE TRATAMENTO

Bloqueios terapêuticos
Estes bloqueios tem como objetivo a redução da dor e inflamação. Quando isto ocorre com sucesso, o paciente consegue tolerar melhor a fisioterapia (FT) na forma de exercícios de reabilitação funcional e a reeducação muscular e/ou postural efetivos no tratamento do whiplash (lesão em chicote) crônico. Noventa por cento dos pacientes que tiveram mais de uma ablação relatam alívio da dor por oito a doze meses pós-procedimento. Os procedimentos são realizados em regime ambulatório e os bloqueios guiados por raio-X dinâmico ou ultrassom.

Por enquanto, na literatura, as técnicas minimamente invasivas mais indicados para tratamento são: os bloqueios facetários cervicais com volumes pequenos de anestésico local e anti-inflamatório; desnervação facetária com medicações quando a dor persiste; e RF convencional (térmica) ou pulsada. Quando o efeito começa a passar e a dor retornar, a ablação pode ser repetida.

Se houve lesão muscular, os espasmos musculares são comuns e, não respondendo aos relaxantes musculares prescritas na primeira linha de tratamento, a toxina botulínica tem se mostrado um tratamento eficaz.

Tipo de bloqueio indicado de acordo com origem da dor

  • Dor facetária/articulações-z: bloqueio do ramo médio cervical, neurotomia/ablação do ramo médio cervical por RF convencional ou pulsada
  • Cefalgia: bloqueio do terceiro nervo ocipital, toxina botulínica
  • Dor secundária de desordens de disco vertebral/nervo pinçado: injeções epidurais cervicais de anestésico local e corticoides
  • Dor muscular: toxina anti-botulínica

Obs.: É importante a visualização do local exato a ser tratado tanto no bloqueio diagnóstico quanto no bloqueio terapêutico, não somente por motivo de segurança durante a colocação e posicionamento da agulha (para não perfurar ou danificar outras estruturas), como também para garantir que as doses adequadas de medicações sejam administradas no compartimento apropriado, ou que a ponta do eletrodo de Radiofrequência esteja na posição correta.

O que acontece com os nervos condutores da dor num bloqueio ou desnervação?
Pense nos nervos como rodovias. Numa cervicalgia, cefalgia ou lombalgia, ficam hipermovimentadas com os impulsos da dor conduzidos pelos nociceptores (fibras nervosas condutoras da dor).

Pelo bloqueio diagnóstico, seu médico já saberá qual rodovia precisa ser interditada para aliviar a dor e diminuir o processo inflamatório. O bloqueio terapêutico interrompe o trânsito desses estímulos dolorosos mediante o lesionamento das fibras condutoras. Fica interrompido até a natureza tomar seu curso e regenerar as fibras nervosas.

Vale observar que são as condutoras dos estímulos dolorosos, não motores que são interrompidas. Fazendo esta intervenção nas vias nervosas, fica reduzida a probabilidade da hipersensibilização do sistema nervoso central (SNC) que ocorre quando a dor se torna crônica.

No tratamento da dor crônica, a eletroestimulação nervosa transcutânea ou acupuntura, assim como medicamentos como Pregabalina ou Duloxetine também são úteis.

Opte por especialistas experientes
Atualmente nos EUA, está em debate o uso dos anti-inflamatórios no espaço epidural e as complicações que podem advir da aplicação de medicação no compartimento errado. Saiba que as injeções intraarticulares e bloqueios do ramo médio são seguros, contanto que sejam realizados por um intervencionista experiente com amplo treinamento, não apenas nas técnicas intervencionistas, como também na visualização dos marcos anatômicos nas imagens e na farmacologia das medicações utilizadas.

Acompanhamento biopsicossocial
Qualquer programa de controle da dor instituído no tratamento da lesão em chicote deve aliar aos tratamentos intervencionistas minimamente invasivos, o acompanhamento psicológico para minimizar os fatores psicológicos que comumente surgem depois do evento causador da lesão em chicote. Além disso, a educação e instrução do paciente em manter-se ativo é fundamental no restabelecimento da função e a reconquista da qualidade de vida.

Portanto, quando a dor da lesão em chicote não responde ao tratamento conservador ou se torna crônica, para tratar as múltiplas facetas desta dor, é necessário uma abordagem multidisciplinar com equipe especialista em medicina intervencionista da dor.

Desejo a todos uma ótima semana repleta de satisfação e alegria!